O lado lúdico da alimentação saudável

 

Há determinados momentos na vida da criança que, para preocupação dos pais, passa a ficar mais seletiva para se alimentar. É comum principalmente quando passa a conhecer outros alimentos, querendo deixar as frutas, verduras e legumes de lado.

A Kingdom Kids, em parceria com a Menu Infantil, criou o Projeto Mini Chef que tem por objetivo despertar a consciência dos alunos para uma alimentação mais saudável.

De modo lúdico, os alunos poderão conhecer um pouco mais dos sabores, envolvendo cores, formas e o efeito dos alimentos sobre o bom funcionamento do corpo.

A nutricionista responsável pela Menu Infantil, Rafaela Rangel, conduziu a primeira oficina que, com certeza, terá muitos momentos com as crianças neste ano e, gentilmente, traz algumas dicas a seguir sobre essa alimentação tão importante para um crescimento saudável, mas cheio de prazer na arte de comer bem.

 

Existe um conceito para uma alimentação saudável?

 

Uma alimentação saudável é, em poucas palavras, uma alimentação adequada em qualidade e quantidade. Ou seja, uma alimentação variada, colorida e composta de alimentos naturais e integrais, consumidos em quantidades moderadas.

 

Dizem que o prato perfeito é o mais colorido, o que não pode faltar nessa refeição?

 

Quanto mais colorido melhor!!

Porém, é muito importante que o prato contenha, principalmente, alimentos verdes-escuros, riquíssimos em vitamina e sais minerais, como cálcio, potássio, vitamina K, vitamina E e ácido fólico. Gosto de ressaltar a importância desses vegetais, pois trazem grande benefício à saúde, mas estão pouco presentes nos pratos. Como apresentam, na maioria das vezes, sabor amargo, acabam sendo rejeitados. Sugiro que na tentativa de driblar o desconforto no paladar, esses vegetais sejam inseridos não só nas saladas cruas, mas também nas cozidas, junto com feijões, legumes e carnes. Além de sucos que também podem ser enriquecidos com esses alimentos sem grande alteração no sabor.

 

Que estratégias você sugere para que a alimentação da criança seja sempre saudável sem sofrimento?

 

A primeira estratégia é, sem dúvida, o bom exemplo dos Pais. Estes são os maiores exemplos para as crianças e serão copiados em cada detalhe. Se os Pais fizerem boas escolhas, as crianças também farão. Quanto mais familiarizada com os alimentos saudáveis a criança for, melhor será a alimentação dela. À medida que a criança vai tomando maior consciência sobre a alimentação irá escolher aquilo que já conhece. Se estiver acostumada a ver os Pais consumindo frutas e sucos diariamente, desenvolverão, naturalmente, o hábito de consumi-los também. Mas se virem apenas pão e leite na mesa de café da manha, dificilmente aceitarão frutas, por exemplo.

Além disso, também observamos que as crianças que participam da produção das refeições, ou seja, aquelas que, literalmente, colocam a mão na massa apresentam melhor relação com os alimentos e maior aceitação. A partir do momento que conhecem os alimentos, tendem a não rejeitá-los.

É muito importante que os Pais criem, juntamente com as crianças, o hábito de provar os alimentos. Esse momento deve ser incentivado e comemorado, procurando deixar a criança o mais confortável possível, ou seja, se não gostar não precisará comer. E se a criança não gostar, o alimento deverá ser representado em outros momentos, da mesma forma ou em preparações diferentes. Desenvolvendo esse hábito, a criança irá adaptando o seu paladar para diferentes sabores e se sentirá mais segura em provar novos alimentos, sabendo que gostará de alguns e de outros não.

E por último, a alimentação das crianças não deve ser substituída por alimentos industrializados, cheios de açúcar. Essa conduta afeta diretamente o paladar das crianças e o apetite. Se já foram apresentados às crianças, devem ser limitados em sua quantidade e em sua freqüência, mas se ainda não fazem parte da alimentação devem permanecer dessa forma pelo maior período possível.

 

Quando as crianças estão muito seletivas, como convencê-los a comer frutas, verduras e legumes?

 

O convencimento está bastante relacionado às questões comentadas anteriormente. Um bom exemplo é um ótimo argumento, assim como a conquista da confiança da criança. Falar a verdade sobre o alimento é sempre muito válido. Se um alimento é azedo, deve ser tratado como tal, porém, não é porque é azedo que é ruim. É simplesmente azedo. Assim como existem preferências para os alimentos doces, também há pessoas que preferem o sabor salgado, o amargo e o azedo. Incentivando a prova dos alimentos, sem o pré julgamento, deixamos as crianças mais a vontade para formarem o próprio paladar.

A seletividade está diretamente ligada ao que é conhecido pela criança. Então, uma boa maneira de convencer as crianças é apresentar os alimentos, fazer oficinas de culinária e oferecê-los de várias formas, evitando utilizar as expressões “ele não gosta disso ou daquilo”. Para garantir a ingestão dos nutrientes no período de recusa, vale à pena investir na criatividade e incluir as frutas, os legumes e os vegetais em sopas, feijões, bolos, tortas e sucos. Dessa maneira, os alimentos recusados estarão “disfarçados” e acabarão sendo consumidos, mas lembrando que as outras estratégias devem ser realizadas paralelamente com o objetivo de melhorar o hábito alimentar.

Fique por dentro do Método Doman!

Como é o método? Qual o fundamento teórico?

O método procura estimular o desenvolvimento dos bebês e das crianças nos seis primeiros anos, utilizando materiais e atividades específicas e adaptadas para todas as crianças.

A fundamentação teórica tem como base estudos e pesquisas desenvolvidas por um grupo multidisciplinar no IAHP (sigla do instituto do Dr. Glenn Doman na Filadélfia – EUA) que observando os mecanismos de aprendizagem passou a entender que nos seis primeiros anos de vida o cérebro humano tem um grande potencial de desenvolvimento e que tal capacidade nunca irá se repetir em outras fases da vida.

O método Doman potencializa a absorção dos estímulos e consequentemente o desenvolvimento da inteligência (capacidade cognitiva).

Como é aplicado?

Com alguns materiais como os Flash Card`s, que são divididos em Bits de inteligência, Card`s e Dot`s. Os Flash Card`s são passados três vezes por dia, seguindo a dinâmica necessária para a aplicação do método. Frequência, intensidade e duração são pontos observados durante as estimulações cognitivas e os Flash Card`s devem seguir três requisitos: ser precisos, discretos e não ambíguos.

Como é a aceitação?

Os bebês e crianças adoram, pois são sempre estimulados de forma lúdica, prazerosa e recreativa. Desta forma as crianças desenvolvem o aprendizado.

Quais as vantagens dos estímulos na primeira infância?

A fase da primeira infância se torna a mais importante para o desenvolvimento do processo de aprendizado, visto que a capacidade de desenvolvimento do cérebro é determinada nos seis primeiros anos e em nenhum outro período da vida o desenvolvimento cerebral vai se igualar ao período da primeira infância.